Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

INTERCAMBIANDO

Blog para fazer amigos pelo mundo, falar do cotidiano, experiências , sentimentos e relacionamentos das pessoas comuns... e, de vez em quando "botar a boca no trombone"!

INTERCAMBIANDO

Blog para fazer amigos pelo mundo, falar do cotidiano, experiências , sentimentos e relacionamentos das pessoas comuns... e, de vez em quando "botar a boca no trombone"!

  • QUEM CUIDARÁ DAS CRIANÇAS?

    Entrevista interessantíssima e elucidativa às mães de hoje, que vivem um conflito entre a maternidade e a carreira.

     

    José Martins Filho, pediatra e escritor, fala do lançamento de seu Livro "Quem Cuidará das Crianças", à Karina Botião, em seu programa Ação Nacional da TV Século XXI.

     

    Se você tem filhos pequenos, ou pretende tê-los, não deixe de ver a entrevista na íntegra, pois poderá lhe esclarecer muitas dúvidas com relação à formação cerebral e emocional das crianças, e a importância da presença da mãe em seu desenvolvimento.

     

     

     

     

     

     

      
     
     
     
     

     

     
     
     
     
     

    OS BRASILEIROS E SUAS BOBAGENS QUE DÃO CERTO!

    Desde Junho do ano de 2011, que estourou por aqui, e agora está por aí pela Europa, uma música brasileira cheia de malícia, num ritmo bem gostoso para dançar: " Ai se eu te pego", de Michel Teló!

     

    Qualidade musical ou de letra à parte, a verdade é que por onde o menino passa move multidões...Talvez, seja porque ninguem é de ferro, e tem horas que é preciso mesmo relaxar e se divertir!

     

    Veja o vídeo na íntegra

     

     

     

     

     

    "SEPARAÇÕES"

    A primeira vez que senti esta dor, a da separação, tinha apenas 14 anos e meu primeiro namorado foi chamado para servir o exército!... Ficaria um ano fora!...Passei o dia chorando debaixo de uma árvore, era como se tivessem levado um pedaço de mim!

     

    Outras separações houveram, mas, até a morte de meu pai, nenhuma tinha sido tão dolorosa!

     

    A separação pela morte deixa um vácuo que não se preenche! Atenua-se, mas fica sempre uma dor profunda, quieta e solitária!

     

    Para quem mora só, ou longe dos filhos, tê-los por vários dias e depois despedir-se, abre também um vácuo, como se não fóssemos mais vê-los. Dói muito!

     

    Estava hoje curtindo as minhas separações, depois de dias reunidos em família, e lembrei-me de uma amiga que talvez estivesse sentindo também as suas dores, uma vez que o filho voltou, ontem,  para sua vida na Áustria.

     

    Saí para arejar os sentimentos doídos e eis que encontro esta amiga, e quando toquei no assunto já bastou para seus olhos marejarem.

     

    O marido falou-lhe: Mas já estás acostumada, faz tanto tempo que ele mora fora!...

     

    Sim estamos acostumados, faz tempo que vivemos longe uns dos outros...mas, o coração lá entende isso?

     

    REFLEXÕES DE INICIO DE ANO, COM WALCYR CARRASCO!

    Walcyr Carrasco é sempre muito feliz em tudo que escreve, às vezes cômico, outras reflexivo, mas, sempre muito gostoso ler o que escreve. Como neste texto que propõe uma reflexão para o inicio do ano:

     

     

     

    "Nesta época, gosto de tratar da vida.
    Dou a roupa que não uso mais.
    Livros que não pretendo reler. Envio caixas para bibliotecas.
    Ou abandono um volume em um shopping ou café, com uma mensagem: "Leia e passe para frente!".

    Tento avaliar meus atos através de uma perspectiva maior.
    Penso na história dos Três Porquinhos. Cada um construiu sua casa. Duas, o Lobo derrubou facilmente.
    Mas a terceira resistiu porque era sólida. Em minha opinião, contos infantis possuem grande sabedoria, além da história propriamente dita. Gosto desse especialmente.
    Imagino que a vida de cada um seja semelhante a uma casa. Frágil ou sólida depende de como é construída.
    Muita gente se aproxima de mim e diz: Eu tenho um sonho, quero torná-lo realidade! Estremeço.
    Frequentemente, o sonho é bonito, tanto como uma casa bem pintada. Mas sem alicerces.
    As paredes racham, a casa cai repentinamente, e a pessoa fica só com entulho. Lamenta-se.
    Na minha área profissional, isso é muito comum. 
    Diariamente sou procurado por alguém que sonha em ser ator ou atriz sem nunca ter estudado ou feito teatro.
    Como é possível jogar todas as fichas em uma profissão que nem se conhece?
    Há quem largue tudo por uma paixão. Um amigo abandonou mulher e filho recém-nascido.
    A nova paixão durou até a noite na qual, no apartamento do 10º andar, a moça afirmou que podia voar.
    Deixa de brincadeira, ele respondeu.
    Eu sei voar, sim! rebateu ela.
    Abriu os braços, pronta para saltar da janela. Ele a segurou. Gritou por socorro. Quase despencaram.
    Foi viver sozinho com um gato, lembrando-se dos bons tempos da vida doméstica, do filho, da harmonia perdida!

    Algumas pessoas se preocupam só com os alicerces. Dedicam-se à vida material.
    Quando venta, não têm paredes para se proteger.
    Outras não colocam portas. Qualquer um entra na vida delas.
    Tenho um amigo que não sabe dizer não (a palavra não é tão mágica quanto uma porta blindada).
    Empresta seu dinheiro e nunca recebe. Namora mulheres problemáticas.
    Vive cercado de pessoas que sugam suas energias como autênticos vampiros emocionais.
    Outro dia lhe perguntei: Por que deixa tanta gente ruim se aproximar de você?
    Garante que no próximo ano será diferente. Nada mudará enquanto não consertar a casa de sua vida.

    São comuns as pessoas que não pensam no telhado. Vivem como se os dias de tempestade jamais chegassem.
    Quando chove, a casa delas se alaga.
    Ao contrário das que só cuidam dos alicerces, não se preocupam com o dia de amanhã.

    Certa vez uma amiga conseguiu vender um terreno valioso recebido em herança.
    Comentei: Agora você pode comprar um apartamento para morar.
    Preferiu alugar uma mansão. Mobiliou. Durante meses morou como uma rainha.
    Quase um ano depois, já não tinha dinheiro para botar um bife na mesa!

    Aproveito as festas de fim de ano para examinar a casa que construí.
    Alguma parede rachou porque tomei uma atitude contra meus princípios?
    Deixei alguma telha quebrada?
    Há um assunto pendente me incomodando como uma goteira?
    Minha porta tem uma chave para ser bem fechada quando preciso, mas também para ser aberta quando vierem as pessoas que amo?

    É um bom momento para decidir o que consertar. Para mudar alguma coisa e tornar a casa mais agradável.
    Sou envolvido por um sentimento muito especial.
    Ao longo dos anos, cada pessoa constrói sua casa.
    O bom é que sempre se pode reformar, arrumar, decorar!
    E na eterna oportunidade de recomeçar reside a grande beleza de ser o arquiteto da própria vida".

     

     

     

     

    "GAÚCHO", NO CANADÁ, MANDA NOTÍCIAS!

    Gaúcho, no Brasil, é quem nasce nos pampas, no Rio Grande do Sul, mas, pode ser também qualquer homem que os lembre, ou pela aparência, ou jeito de ser, ou ainda por ter algum hábito lá dos Riograndenses.

     

    Dudú, Curitibano de nascença,  desde que entrou prá nossa família, meu pai começou a chamá-lo de gaúcho, pois além dos olhos azuis, veio-nos, acompanhado de uma "Cuia" ( cabaça ornamentada onde tradicionalmente os gauchos tomam o mate).

     

    Agora encontra-se no Canadá, e hoje enviou-nos sua primeira contribuição a este blog: Um pouco do que tem sido sua vida por lá, nestes 2 meses:

     

    "Após dois meses em Vancouver tenho percebido quão diferente
    é estar aqui em relação ao Brasil, minha hometown!

     

     Apesar da semelhança do clima, da grande área verde, dos atrativos turísticos, entre outras coisas, quando chegamos aqui tivemos um choque cultural comum a este tipo de experiência. Como em filmes ou noticiários, você pode enxergar pessoas trajando um incombinável look: botas roxas, cabelos vermelhos, saia cinza, blusa azul, tudo muito descolado e interessante... 

    Aqui você também tem o prazer de conhecer  e muitas vezes experimentar inúmeros pratos e bebidas internacionais. Eu já experimentei comida Russa, Grega, Indiana e canadense é claro... e de todas a que me chamou mais atenção foi a Russa. A comida canadense como todos sabem é “Junk Food”, ou fast food. Mas,  o breakfast, apesar de um pouco oleoso é delicioso e nutritivo:pãozinho, ovos, queijo, bacon e batatas. 

    Esse mês já podemos dizer que estamos mais adaptados e estamos começando a curtir mais o inglês nosso de cada dia. Muitos aqui falam um inglês super rápido e no geral posso dizer que estamos nos virando bem. A língua tem 550 mil palavras e o ideal é que saibamos pelo menos 1mil até a conclusão do curso. 

    Por fim, concluo afirmando que aos 31 anos de idade me sinto um “piá”. Acho que daqui pra frente é continuar estudando e interagindo com toda e qualquer cultura aqui instalada, deixando os estigmas de lado, porque a idéia sempre foi essa.

    “Melhor andar à toa, do que ficar a toa.” (Expedito Pazeto)

     

    Bjo no coração!

     

    Dudu"

     

     

    Breakfast Canadense

    Com a esposa no Jardim Chinês

     

     

             Ensinando o pulinho do Cururu, para os amigos de classe, em Kitsilano

    Quer ter mais dicas de como viajar para o Canadá? Clique aqui, que temos um manual

     

     

     

    A MÁFIA DOS BOINAS CINZAS!

    Escrevemos aqui, ano passado, sobre a máfia da rúcula rasgada, que foi um post carinhoso para falar sobre intimidade!

     

    A intimidade que transforma pequenas bobagens em verdadeiros códigos familiares.

     

    Êste ano, minha filha mais nova resolveu fazer uma brincadeira com boinas cinzas confeccionadas por ela com lãs antigas, produto das minhas procrastinações.

     

    Ela conseguiu confeccionar 5 delas, e todo mundo que apareceu por aqui teve que usá-las por alguns minutos para tirarmos as fotos.

     

     

     

    A família e os amigos, na hora do churrasco

     

    O genro churrasqueiro

     

    Os amigos que vieram de Santos

     

    O casalzinho simpático que já andou por aqui várias vezes

     

     

     Até a matriarca da família arriscou-se na Boina cinza

     

     A nossa criança

     

     

    Os amigos que vieram para o almoço do ano novo

     

     

     

    E, nem mesmo os homens negaram-se em posar para as fotos

     

     

    E até mesmo os nossos queridos que estão no Canadá participaram da brincadeira

     

    Que graça tem nisso tudo?

    Alegria, cumplicidade, carinho, FAMÍLIA!