Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

INTERCAMBIANDO

Blog para fazer amigos pelo mundo, falar do cotidiano, experiências , sentimentos e relacionamentos das pessoas comuns!

INTERCAMBIANDO

Blog para fazer amigos pelo mundo, falar do cotidiano, experiências , sentimentos e relacionamentos das pessoas comuns!

  • COMPARTILHAR NO GOOGLE MAIS

  • A AMPLIAÇÃO DO IMAGINAR DE "FAYGA OSTROWER"

    Estou lendo um livro interessantíssimo de Fayga Ostrower - "Criatividade e Processos de Criação", o qual recomendo a todos aqueles que desejam se aprofundar neste assunto. Fayga foi gravadora, pintora, desenhista, ilustradora, teórica da arte e professora. Polonesa de nascimento, veio para o Brasil na década de 30 e por aqui ficou.

     

    Uma pontuação muito interessante do livro, foi sobre a ampliação do imaginar e tem tudo a ver com este momento que vivemos, onde a sociedade exige especializações em todas as áreas do conhecimento e não poderia ser diferente diante de todos os desafios que este nosso viver nos impinge.

    Contudo, Fayga nos adverte sobre as necessidades de abertura para outros conhecimentos fora destas áreas específicas, a despeito de perdermos nosso poder criativo que não deve ser visto apenas no campo das artes, mas em todos os segmentos. O homem pode e deve ser criativo em seu dia-a-dia, em seu trabalho, em sua vida. Não fosse isso, não teríamos tido todos os avanços tecnológicos, sociais e culturais que hoje possuimos.

     

    Ela diz: " Um químico poderá ser criativo na química porque formula suas perguntas em termos de química e não porventura em termos de alquimia. Entretanto se este químico nada mais vê pela frente do que química, se todos os seus interesses e também conteúdos de vida se resumem quase que exclusivamente em problemas de "especialista", especializações dentro de especialidades, de fato, ele há de viver uma enorme redução enquanto potencialidades humanas. E, por maior que seja seu talento e sua eficiência, esse reducionismo poderá até esvaziar o sentido de criatividade que ele tenha dentro do trabalho profissional." ( Página 38)... Em outro trecho acrescenta: - "São nossos valores de vida que dão a medida para nosso pensar e fazer. Einstein, o grande gênio da física, também tocava violino e fazia filosofia".

     

    A quem deseja se aprofundar no assunto, sugiro a leitura do livro, que é da Editora Vozes.

     

    A quem deseja se aprofundar em Fayga, em sua obra como gravurista e artista plástica, e seus livros, o site é http://www.faygaostrower.org.br/

     

    Segue um vídeo, que é uma raridade, de Fayga falando sobre o gravurista Livio Abramo e sobre criatividade.

     

     
     

     

     

    Uma das gravuras de Fayga que mais aprecio

     

     

    Uma das Gravuras de Livio Abramo, da fase "Paraguay", que Fayga menciona no vídeo

    A LIÇÃO MAIS PRECIOSA DE MEU PAI!

    Dia dos Pais no Brasil... Minha homenagem ao meu!

     

    ...De tudo que aprendi com meu pai a melhor lição foi a da Felicidade!

     

    Não foi a felicidade pura e simples dos eternos otimistas que, como hienas, vivem sorrindo e comendo M... Não, foi a felicidade genuina, daquelas que, mesmo nos dias de "nariz no chão", que todos temos, existe um sentimento lá dentro avisando que isso vai passar, e que a felicidade amanhã estará de volta...E ela sempre volta, pois está intrinsecamente dentro da gente...Ela nos pertence!

     

    De que forma ele ensinou isso?... Com pequenas ações, poucas palavras e grande sabedoria!

     

    Tudo era motivo de alegria e de festa!... Passávamos apertados muitas vezes, pois era um trabalhador autônomo mas, a comida na mesa era sempre um banquete. Não porque tivéssemos caviar, na mesa, mas porque tínhamos a melhor comida que mãos hábeis podem fazer ( minha mãe também é uma excelente cozinheira), e porque, o estar juntos comendo aquela comida gostosa

    transformava este simples ato em momentos de alegria.

     

    Quando as coisas estavam ruins, ele fechava seu comercio, juntava as crianças da rua, e lá íamos todos prá um belo piquenique!... A pé!... Porque naquela época ninguém tinha carro.

     

    Uma vez por ano, ele nos levava para ver o mar que, naqueles tempos, era uma grande aventura!

     

    Quando crescemos e cometemos nossos pequenos pecados ele fêz questão de deixar claro que o nosso lugar na família, SERIA SEMPRE NOSSO, e estava guardado, nos esperando!

     

    Quando vieram as netas foi o pai delas também!

     

    Não era dado a falar muito, mas o abraço na chegada, falava por ele... Ele estava feliz porque estávamos ali!

     

     

    Não tem manual é um transbordar de amor, apenas!