Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

INTERCAMBIANDO

Blog para fazer amigos pelo mundo, falar do cotidiano, experiências , sentimentos e relacionamentos das pessoas comuns!

INTERCAMBIANDO

Blog para fazer amigos pelo mundo, falar do cotidiano, experiências , sentimentos e relacionamentos das pessoas comuns!

  • COMPARTILHAR NO GOOGLE MAIS

  • ESTÍMULOS E COMPORTAMENTOS

    Para enterdermos como funcionam os comportamentos humanos através dos estímulos que recebemos, e nos mostrar com isso um dos princípios da Gestalt, nossa apostila de Psicologia da Educação, do Centro Universitário Claretiano nos retrata o seguinte texto de Fernando Sabino, extraído do livro " A FALTA QUE ELA ME FAZ":

     

    "Era um bar da moda naquele tempo em Copacabana e eu tomava meu uísque em companhia de uma amiga. O garçom que nos servia, meu velho conhecido, a horas tantas se aproximou:

    –Não leve a mal eu sair agora, que está na minha hora, mas o meu colega ali continuará atendendo o senhor. Ele se afastou, e eu voltei ao meu estado de vaguidão habitual. Alguns minutos mais tarde, vejo diante de mim alguém que me cumprimentava cerimoniosamente, com um movimento de cabeça:

    –Boa noite, Dr. Sabino.

    Era um senhor careca, de óculos, num terno preto de corte meio antigo. Sua

    fisionomia me era familiar, e embora não o identificasse assim à primeira vista, vi logo que devia se tratar de algum advogado ou mesmo desembargador de minhas relações, do meu tempo de escrivão. Naturalmente disfarcei como pude o fato de não estar me lembrando de seu nome, e me ergui, estendendo-lhe a mão:

    –Boa noite, como vai o senhor? Há tanto tempo! Não quer sentar-se um pouco?

    Ele vacilou um instante, mas impelido pelo calor de minha acolhida, acabou aceitando: sentou-se meio constrangido na ponta da cadeira e ali ficou, erecto, como se fosse erguer-se de um momento para outro. Ao observá-lo assim de perto, de repente deixei cair o queixo: sai dessa agora, Dr. Sabino! Minha amiga ali do lado, também boquiaberta, devia estar achando que eu ficara maluco.

    Pois o meu desembargador não era outro senão o próprio garçom – e meu velho conhecido! – que nos servira durante toda a noite e que havia apenas trocado de roupa para sair. (…) (SABINO, 1980, p. 143-4).

     

     

     Fernando Sabino desenhado por Luan de Morais

     

    Este foi um exemplo da Gestalt em nosso cotidiano. Nas artes um de seus principais representantes é Mauritz Escher com suas imagens de dupla interpretação:

     

     

    Referência Bibliográfica:

    SABINO F. Chaves da Vaguidão. In: A falta que ela me faz.4. Edi. Rio de Janeiro: Record, 1980 apud SOUZA, Tatiana Noronha. Centro Universitário Claretiano- Psicologia da Educação. Batatais, 2012.

    3 comentários

    Comentar post