Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

INTERCAMBIANDO

Blog para fazer amigos pelo mundo, falar do cotidiano, experiências , sentimentos e relacionamentos das pessoas comuns... e, de vez em quando "botar a boca no trombone"!

INTERCAMBIANDO

Blog para fazer amigos pelo mundo, falar do cotidiano, experiências , sentimentos e relacionamentos das pessoas comuns... e, de vez em quando "botar a boca no trombone"!

  • MAIS UM POUCO SOBRE CRIATIVIDADE

    Em nossa sociedade temos o hábito de pensar que o criativo é aquele que se destacou exponencialmente em qualquer atividade: os gênios, os grandes artistas, mas nos esquecemos de pensar naqueles que, no seu dia-a-dia, conseguem superar pequenos obstáculos e "melhoram o mundo a seu redor".

    Aliás, esta observação entre aspas, são palavras de Fayga Ostrower, artista plástica, professora, que já mencionamos várias vezes aqui em nosso blog. Sempre gosto de citar trechos seus, pois refletem pensamentos sobre processos criativos e suas ligações com as pessoas comuns e sua humanidade.

    Na página 112 do seu livro "Criatividade e Processos de Criação" ela diz:

    ..."Acima de quaisquer outras considerações, o que importa é o processo criador visto como um processo de crescimento contínuo no homem, e não unicamente como fenômeno que caracteriza os vultos extraordinários da humanidade. Procuramos entender as potencialidades de um modo mais amplo e mais profundo, no sentido global. Poderia, no caso, tratar-se de um grande artista ou cientista, mas não seria apenas a sua produtividade profissional que consideraríamos, seria, antes, o seu potencial criador como dimensão humana a enriquecer a tudo e a todos aos seu redor. O poder criador do homem é a sua faculdade ordenadora e configuradora, a capacidade de abordar em cada momento vivido a unicidade da experiência e de interligá-la a outros momentos, transcendendo o momento particular e ampliando o ato da experiência para um ato da compreensão. Nos significados que o homem encontra - criando e  sempre formando - estrutura-se a sua consciência diante do viver"... 

    ..." Como ser coerente, ele está mais aberto ao novo porque mais seguro dentro de si. Sua flexibilidade de questionamento, ou melhor, a ausência de rigidez defensiva diante ao mundo, permite-lhe configurar espontâneamente tudo que o toca".

    fayga+ostrower.jpg

     Fayga em seu ateliê.

     

    A AMPLIAÇÃO DO IMAGINAR DE "FAYGA OSTROWER"

    Estou lendo um livro interessantíssimo de Fayga Ostrower - "Criatividade e Processos de Criação", o qual recomendo a todos aqueles que desejam se aprofundar neste assunto. Fayga foi gravadora, pintora, desenhista, ilustradora, teórica da arte e professora. Polonesa de nascimento, veio para o Brasil na década de 30 e por aqui ficou.

     

    Uma pontuação muito interessante do livro, foi sobre a ampliação do imaginar e tem tudo a ver com este momento que vivemos, onde a sociedade exige especializações em todas as áreas do conhecimento e não poderia ser diferente diante de todos os desafios que este nosso viver nos impinge.

    Contudo, Fayga nos adverte sobre as necessidades de abertura para outros conhecimentos fora destas áreas específicas, a despeito de perdermos nosso poder criativo que não deve ser visto apenas no campo das artes, mas em todos os segmentos. O homem pode e deve ser criativo em seu dia-a-dia, em seu trabalho, em sua vida. Não fosse isso, não teríamos tido todos os avanços tecnológicos, sociais e culturais que hoje possuimos.

     

    Ela diz: " Um químico poderá ser criativo na química porque formula suas perguntas em termos de química e não porventura em termos de alquimia. Entretanto se este químico nada mais vê pela frente do que química, se todos os seus interesses e também conteúdos de vida se resumem quase que exclusivamente em problemas de "especialista", especializações dentro de especialidades, de fato, ele há de viver uma enorme redução enquanto potencialidades humanas. E, por maior que seja seu talento e sua eficiência, esse reducionismo poderá até esvaziar o sentido de criatividade que ele tenha dentro do trabalho profissional." ( Página 38)... Em outro trecho acrescenta: - "São nossos valores de vida que dão a medida para nosso pensar e fazer. Einstein, o grande gênio da física, também tocava violino e fazia filosofia".

     

    A quem deseja se aprofundar no assunto, sugiro a leitura do livro, que é da Editora Vozes.

     

    A quem deseja se aprofundar em Fayga, em sua obra como gravurista e artista plástica, e seus livros, o site é http://www.faygaostrower.org.br/

     

    Segue um vídeo, que é uma raridade, de Fayga falando sobre o gravurista Livio Abramo e sobre criatividade.

     

     
     

     

     

    Uma das gravuras de Fayga que mais aprecio

     

     

    Uma das Gravuras de Livio Abramo, da fase "Paraguay", que Fayga menciona no vídeo