Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

INTERCAMBIANDO

Blog para fazer amigos pelo mundo, falar do cotidiano, experiências , sentimentos e relacionamentos das pessoas comuns!

INTERCAMBIANDO

Blog para fazer amigos pelo mundo, falar do cotidiano, experiências , sentimentos e relacionamentos das pessoas comuns!

  • COMPARTILHAR NO GOOGLE MAIS

  • FRASES IMPACTANTES!

    " “Se eu vi mais longe, foi por estar de pé sobre ombros de gigantes”. - Isaac Newton  do blog "Reflexões de um Professor")

     

     

    Os homens estão mais dispostos a retribuir uma injustiça do que uma caridade, porque a gratidão é um peso e a vingança um prazer". - Tácito - Historiador Romano.

     

     

     "O livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive."
    Padre Antônio Vieira - religioso jesuíta - Frase citada em Parceiros do livro

     

     

     

    "Aqueles que desejam a paz de espírito e a felicidade, têm que acreditar e abraçar a fé. Aqueles que desejam perseguir a VERDADE devem renunciar à paz de espírito e devotar sua vida à investigação". Nietzche ( em uma carta à sua irmã Elizabeth, após ter deixado os estudos teológicos).  

     

     

    "Nada é mais forte que uma idéia cujo tempo chegou". (Victor Hugo). 

     

    "Eu segurei muitas coisas em minhas mãos e as perdi. Mas tudo que coloquei nas mãos de Deus, ainda possuo!  (Marthin Lutherking)

     

     

     "De todos os sentidos, o mais importante para aprendizagem do amor, do viver junto e da cidadania é a audição". ( Rubens Alves)

     

     "Promessas de Compromisso são irrelevantes a longo prazo. Adrienne Burguess - Escritora e Pesquisadora Australiana

     

     

     

    Qualquer mulher que aspire a comportar-se como um homem, é certo que carece de ambição. [ Dorothy Parker ]

     

     

    Se tive problemas, não foi por falta de felicidade. Personagem de Lilia Cabral, no filme, "O Divã"

     

    As ideias nunca podem executar coisa alguma; para a execução das ideias são necessários seres humanos que ponham em ação uma força prática. Karl Marx no texto "A Sagrada Família"

     



    "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto..."
                              (Rui Barbosa)

     

     

     

    Ruy Barbosa, jurista e escritor brasileiro que viveu de 1849 a 1923.

     

    Como Ganhar Dinheiro na Internet

    REFLEXÕES SOBRE A MORTE BY SÓCRATES!

    Com serenidade e tom altaneiro, já condenado à morte bebendo cicuta, Sócrates proferiu seu último discurso aos que haviam acabado de condená-lo:

     

    - "Não foi por falta de discursos que fui condenado, mas por falta de audácia e porque não quis que ouvísseis o que para vós teria sido mais agradável: Sócrates se lamentando, gemendo, fazendo e dizendo uma porção de coisas que considero indignas de mim, coisas que estais habituados escutar de outros acusados".

     

    Sustenta-o uma certeza: Mais difícil que evitar a morte é " evitar o mal, porque ele corre mais depressa que a morte". Segundo seu pensamento, com relação a esta, só pode ser duas coisas:

     

    " Ou aquele que morre é reduzido a nada e não tem mais qualquer consciência, ou então, conforme ao que se diz, a morte é uma mudança, uma transmigração da alma, do lugar onde nos encontramos para outro lugar. Se a morte é a extinção de todo sentimento e assemelha-se a um desses sonos nos quais nada se vê, mesmo em sonho, então morrer é um ganho maravilhoso. (...) Por outro lado, se a morte é como uma passagem daqui para outro lugar, e se é verdade como se diz, que todos os mortos aí se reúnem, pode-se, senhores juízes, imaginar maior bem?

    Mas, eis a hora de partirmos, eu para a morte, vós para a vida. Quem de nós segue o melhor rumo, ninguém o sabe, exceto Deus."

     

    O que mais impressiona em todo desfecho da vida de Sócrates foi a sua dignidade em não transgredir seus valores morais e de justiça.  Mesmo tendo sido injustiçado com uma condenação que não tinha procedência, Sócrates recusou-se a fugir da prisão como queriam seus discípulos, pois isso seria ir contra as leis da época.

    Porque não traíra sua consciência, preferira a morte a declarar-se culpado. Suas últimas palavras teriam sido um testemunho dessa dupla fidelidade: A SI MESMO E A SEUS COMPROMISSOS ASSUMIDOS.

     

    Consulta  à Publicação de José Américo Mota Pessanha da Coleção "Pensadores".

     

     

     

    Quadro pintado por Jackes-Louis David, em 1787, representando a morte de Sócrates tomando cicuta.

    O CAIPIRA E O ENÓLOGO!

     

    Texto divertidíssimo de Luiz Fernando Veríssimo, chorei de rir!

     

    Degustação de vinho

    - Hummm...

    - Hummm...

    - Eca!!!

    - Eca?! Quem falou Eca?

    - Fui eu, sô! O senhor num acha que esse vinho tá com um gostim estranho?

    - Que é isso?! Ele lembra frutas secas adamascadas, com leve toque de trufas brancas, revelando um retrogosto persistente, mas sutil, que enevoa as papilas de lembranças tropicais atávicas...

    - Putaqueupariu sô! E o senhor cheirou isso tudo aí no copo ?!

    - Claro! Sou um enólogo laureado. E o senhor?

    - Cêbêsta sô, eu não! Sou isso não senhor!! Mas que isso aqui tá me cheirando iguarzinho à minha egüinha Gertrudes depois da chuva, lá isso tá!

    - Ai, que heresia! Valei-me São Mouton Rothschild!

    - O senhor me desculpe, mas eu vi o senhor sacudindo o copo e enfiando o narigão lá dentro. O senhor tá gripado, é ?

    - Não, meu amigo, são técnicas internacionais de degustação entende? Caso queira, posso ser seu mestre na arte enológica. O senhor aprenderá como segurar a garrafa, sacar a rolha, escolher a taça, deitar o vinho e, então...

    - E intão moiá o biscoito, né? Tô fora, seu frutinha adamascada!

    - O querido não entendeu. O que eu quero é introduzi-lo no...

    - Mais num vai introduzi é nada e nunca! Desafasta, coisa ruim!

    - Calma! O senhor precisa conhecer nosso grupo de degustação. Hoje, por exemplo, vamos apreciar uns franceses jovens...

    - Hã-hã... Eu sabia que tinha francês nessa história lazarenta...

    - O senhor poderia começar com um Beaujolais!

    - Num beijo lê, nem beijo lá! Eu sô é home, safardana!

    - Então, que tal um mais encorpado?

    - Óia lá, ocê tá brincanu com fogo...

    - Ou, então, um suave fresco!

    - Seu moço, tome tento, que a minha mão já tá coçando de vontade de metê um tapa na sua cara desavergonhada!

    - Já sei: iniciemos com um brut, curto e duro. O senhor vai gostar!

    - Num vô não, fio de um cão! Mas num vô, memo! Num é questão de tamanho e firmeza, não, seu fióte de brabuleta. Meu negócio é outro, qui inté rima com brabuleta...

    - Então, vejamos, que tal um aveludado e escorregadio?

    - E que tal a mão no pédovidu, hein, seu fióte de Belzebu?

    - Pra que esse nervosismo todo? Já sei, o senhor prefere um duro e macio, acertei?

    - Eu é qui vô acertá um tapão nas suas venta, cão sarnento! Engulidô de rôia!

    - Mole e redondo, com bouquet forte?

    - Agora, ocê pulô o corguim! E é um... e é dois... e é trêis! Num corre, não, fiudaputa! Vorta aqui que eu te arrebento, sua bicha fedorenta!...

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    A AMPLIAÇÃO DO IMAGINAR DE "FAYGA OSTROWER"

    Estou lendo um livro interessantíssimo de Fayga Ostrower - "Criatividade e Processos de Criação", o qual recomendo a todos aqueles que desejam se aprofundar neste assunto. Fayga foi gravadora, pintora, desenhista, ilustradora, teórica da arte e professora. Polonesa de nascimento, veio para o Brasil na década de 30 e por aqui ficou.

     

    Uma pontuação muito interessante do livro, foi sobre a ampliação do imaginar e tem tudo a ver com este momento que vivemos, onde a sociedade exige especializações em todas as áreas do conhecimento e não poderia ser diferente diante de todos os desafios que este nosso viver nos impinge.

    Contudo, Fayga nos adverte sobre as necessidades de abertura para outros conhecimentos fora destas áreas específicas, a despeito de perdermos nosso poder criativo que não deve ser visto apenas no campo das artes, mas em todos os segmentos. O homem pode e deve ser criativo em seu dia-a-dia, em seu trabalho, em sua vida. Não fosse isso, não teríamos tido todos os avanços tecnológicos, sociais e culturais que hoje possuimos.

     

    Ela diz: " Um químico poderá ser criativo na química porque formula suas perguntas em termos de química e não porventura em termos de alquimia. Entretanto se este químico nada mais vê pela frente do que química, se todos os seus interesses e também conteúdos de vida se resumem quase que exclusivamente em problemas de "especialista", especializações dentro de especialidades, de fato, ele há de viver uma enorme redução enquanto potencialidades humanas. E, por maior que seja seu talento e sua eficiência, esse reducionismo poderá até esvaziar o sentido de criatividade que ele tenha dentro do trabalho profissional." ( Página 38)... Em outro trecho acrescenta: - "São nossos valores de vida que dão a medida para nosso pensar e fazer. Einstein, o grande gênio da física, também tocava violino e fazia filosofia".

     

    A quem deseja se aprofundar no assunto, sugiro a leitura do livro, que é da Editora Vozes.

     

    A quem deseja se aprofundar em Fayga, em sua obra como gravurista e artista plástica, e seus livros, o site é http://www.faygaostrower.org.br/

     

    Segue um vídeo, que é uma raridade, de Fayga falando sobre o gravurista Livio Abramo e sobre criatividade.

     

     
     

     

     

    Uma das gravuras de Fayga que mais aprecio

     

     

    Uma das Gravuras de Livio Abramo, da fase "Paraguay", que Fayga menciona no vídeo

    SIMPLES ASSIM!

    Adoro linguística...e reflexões!...Para quem gosta de refletir, a linguística, sempre dá panos prá mangas!...Pois foi o que me ocorreu, desde ontem, com uma palavra: "SIMPLES"!...Essa palavra, deixou-me a pensar que, de simples, ela não tem nada!

     

    Um amigo, que só conheço através da net, disse-me ontem, que gostava de mim, porque sou "Simples"!...Na hora, pensei: Isso será bom, ou ruim?

     

    Fui consultar meu velho e bom amigo "Aurélio"! ( um antigo e manuseado dicionário com 1781 páginas, e nem sei quantos verbetes).

     

    Lá diz assim: SIMPLES: Adjetivo. 1. Que não é duplo, múltiplo, ou desdobrado em partes. 2.Que não é constituído de partes ou substâncias diferentes; singelo...Até aqui, tudo bem!...Sou bem simples, mesmo!... 3.Sem ornatos ou elementos acrescentados....Bem, nem tanto, adoro uns penduricalhos nas orelhas, pescoço, braços, tornozelos...4. Formado de poucos elementos e, portanto de fácil utilização ou compreensão...Bem, sou mulher, por acaso existe alguma de fácil utilização ou compreensão?...5. Puro, mero....Sim, talvez um pouco de pureza, não me faça mal nenhum!...6.Não acompanhado e não ajudado por outros: só, único!...Aí há de se dizer, não tem ninguém mais simples!...7. Normal,vulgar, comum, ordinário!...Começo a me estressar rsrsrsrsrsr...8. Sem luxo, aparato, ostentação: modesto...Bem, mesmo que tivesse muito dinheiro, não ostentaria, e meu luxo não está em coisas que a maioria das pessoas chamam de luxo, tenho uma certa "simplicidade" nos meus luxos...Troco um anel de brilhantes por uma coleção original dos antigos pensadores e escritores: Platão, Confúcio, Giorgio Vassari, simples assim!...9.Que se encontra no nível mais baixo de uma hierarquia...Bem já estive em diversos estágios da pirâmide social..no alto, na base...acho que agora estou igual a maioria das pessoas, no meio!...10. Que se deixa facilmente enganar, ingênuo, tolo, simplório...Será que ele me vê assim?..Pensando bem, não é muito difícil me enganar!...Procede... 11. Sem instrução, ignorante!...Bem, nem tanto céu, nem tanto a terra!...Quem não é simples em algum assunto?...12. Modesto, humilde, pobre...Sim, sou simples!...13. Natural, espontâneo...Ninguém mais simples!...14.Pessoa simples, ignorante, humilde...estou me estressando de novo.....

     

    Bem, com tantas opções, acabo ficando ainda mais confusa!...É melhor deixar  isso prá lá!...Fica mais simples!

     

     

     

     

    SE TIVE PROBLEMAS, NÃO FOI POR FALTA DE FELICIDADE!

     

    Esta é uma frase muito conhecida do filme "O Divã", com Lília Cabral como protagonista, e que esteve no sermão da missa de hoje, na paróquia que frequento, com citação do filme e tudo !

     

    Gostei de ouví-la na boca de um padre católico, para exemplicar uma passagem bíblica, pois é sinal, que, ao menos alguns padres já se conscientizaram que precisam trazer a igreja para os dias de hoje, para que haja uma interação maior entre os fiéis.

     

    Com esta frase ele dizia  que precisamos acabar com essa mania de muitas pessoas, de só olharem as coisas ruins e ficarem vivendo sobre elas. Que devemos sim, nos dar conta das coisas boas que vivemos e possuimos, apesar de ter alguns probleminhas de vez em quando...E que, estes problemas e tristezas eventuais, não querem dizer que não sejamos felizes!

     

    Aí fiquei pensando em quantas vezes a fé me salvou! Salvou-me da depressão, ajudou-me a confiar no futuro, e, nos momentos de medo,  ter a certeza de que, a qualquer momento, tudo poderia mudar e se transformar.

     

    Lembrei-me das crianças que estão tendo poucas oportunidades  de vivenciar Jesus, na igreja, porque os pais não têm o hábito...E me perguntei: Será justo com elas, não ter a oportunidade deste conhecimento???...Se aos pais, não faz falta este contato, tudo bem, mas privar os filhos de terem esta oportunidade, é justo?

     

    Em que, ou em quem, estas crianças se apegarão, quando adultas, e o vazio tomar conta? 

     

     

     

     

     

    SER FELIZ ME CONSOME MUITO!

    Estas são algumas das palavras de Clarice Lispector, escritora naturalizada brasileira, nascida na Ucrânia em 1920. A família veio para o Brasil, quando ela tinha apenas 2 meses, fugidos das perseguições aos judeus na Guerra Civil Russa (1918/1921).

     

    Recebi uma coletânea, de pensamentos dela, hoje, pela Internet e  quero compartilhar com vocês:

     

    "Todos os dias quando acordo, vou correndo tirar a poeira da palavra amor".....

     

    "Fique de vez em quando só, senão será submergido. Até o amor excessivo pode submergir uma pessoa".

     

    "Que minha solidão me sirva de companhia

    Que eu tenha a coragem de me enfrentar

    Que eu saiba ficar com o nada...

    E mesmo assim, me sinta como se estivesse plena de tudo."..

     

    "Não tenho tempo prá mais nada...Ser feliz me consome muito!"

     

    "As pessoas mais felizes, não têm as melhores coisas. Elas sabem fazer o melhor das oportunidade que aparecem em seus caminhos".

     

    "Quando se ama não é preciso entender o que se passa lá fora, pois tudo passa a acontecer, dentro de nós".

     

    "Até cortar os defeitos, pode ser perigoso!...Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro".

     

    Há muito que não leio Clarice, preciso voltar a lê-la com muita atenção.

    Aos que quiserem saber mais sobre ela cliquem aqui no Wikipédia.

     

    E, além de tudo era linda e elegante!

     

     

     

     

    COM UM PÉ NA COVA, OUTRO NA CASCA DE BANANA

    Adoro expressões de uma língua, pois elas enriquecem muito a comunicação, além de caracterizar uma região, ou até mesmo um grupo!...Até adicionei um link no arquivo deste blog, sobre posts que já fizemos sobre algumas expressões e formas de falar, não só daqui do nosso pedaço, mas, de coisas que vão aparecendo.

     

    Esta expressão "Com um pé na cova, outro na casca da banana", é uma maneira bem humorada que temos de dizer que o sujeito, ou nós mesmos, estamos quase chegando na hora da morte...É uma maneira de descontrair a fatalidade.

     

    Lembrei-me dela hoje, em conversa com minha filha que me apontou tudo que começo e não acabo, como artesanatos, cursos, e outras coisas mais.

     

    Então, lhe respondi, que, depois de uma certa idade, quando fica mais iminente o  " pé na casca da banana", pouco importa a conclusão das coisas, pois começa-se a apreciar a coisa em si. 

     

    Estou pretendo fazer uma lingua européia, italiano ou francês, pois sonho, uma hora qualquer passar uma temporada por aí, e ela me alertou para esta peculiaridade minha de não concluir..

     

    O que importa, se não concluir, ou se, eu nem chegar a ir prá Europa?...Importa mais ficar satisfeita com as aulas...até quando for!...

     

    Como, também, se diz por aqui: "Às vezes, você atira no que vê e mata o que não vê"...E assim a vida vai seguindo cheia de novidades e riqueza!

     

    Ah!...Detalhe: Tenho 55 anos, graças a Deus, bastante saudável, e passo bem longe de cascas de banana!

     

     

     

    EM BUSCA DA LENDA PESSOAL E DA BENÇÃO!

    Os que estão sempre por aqui, sabem de meu gosto por bons textos, e coleciono-os!...Neste domingo, Paulo Coelho publicou em nosso Jornal local, O Liberal, o que segue:

     

     

    "Quando Joseph Campbell, o mais conhecido estudioso de mitologia de nosso tempo (e autor, entre outros livros, do excelente “O Poder do Mito”) criou a expressão “siga sua benção” ele estava refletindo uma idéia cujo momento parece ter chegado. Em “O Alquimista”, esta mesma idéia está sob o nome de Lenda Pessoal.

    Alan Cohen, um terapeuta que vive no Havaí, também trabalha sobre o tema.                         Ele conta que, nas suas conferências, pergunta quem está insatisfeito com o seu trabalho; setenta e cinco por cento da audiência levanta a mão. Cohen criou um sistema de doze passos, para ajudar o reencontro com sua “benção” (ele segue a escola de Campbell):

     

    1] Diga a verdade para você mesmo: divida uma folha de papel em duas colunas, e escreva do lado esquerdo tudo que adoraria fazer. Depois, escreva do lado direito tudo que está fazendo sem entusiasmo. Escreva como se ninguém fosse ler o que está ali, não censure nem julgue suas respostas.

     

    2] Comece devagar, mas comece: chame o agente de viagens, procure algo que se encaixe no seu orçamento; vá assistir ao filme que está adiando; compre o livro que desejava. Seja generoso com você mesmo, e verá que mesmo estes pequenos passos lhe farão sentir mais vivo.

     

    3] Vá parando devagar, mas pare: há coisas que tiram por completo sua energia. Você precisa mesmo ir a tal reunião do comitê? Precisa ajudar quem não quer ser ajudado? Seu chefe tem o direito de exigir que, além do trabalho, você tenha que estar nas mesmas festas que ele? Ao parar de fazer o que não lhe interessa, vai notar que você estava se exigindo mais que os outros realmente pediam.

     

    4] Descubra seus pequenos talentos: o que os amigos dizem que você faz bem? O que você faz com vontade, mesmo que não seja perfeito na sua execução? Estes pequenos talentos são mensagens escondidas de seus grandes talentos ocultos.

     

    5] Comece a escolher: se algo lhe dá prazer, não hesite. Se você está em dúvida, feche os olhos, imagine que tomou a decisão A, e veja tudo que ela acarretará. Faça o mesmo com a decisão B. A decisão que lhe fizer sentir mais conectado com a vida, é a decisão certa – mesmo que não seja a mais fácil.

     

    6] Não baseie suas decisões em ganhos financeiros: eles virão, se você realmente fizer algo com entusiasmo. O mesmo vaso, feito por um oleiro que adora o que faz, ou por um homem que detesta seu ofício, tem uma alma. Ele será rapidamente vendido (no primeiro caso) ou ficará encalhado (no segundo caso). 

     

    7] Siga sua intuição: o trabalho mais interessante é aquele que você se permite ser criativo. Eistein dizia: “eu não cheguei à minha compreensão do Universo usando apenas a matemática”. Descartes, o pai da lógica, desenvolveu seu método baseado em um sonho que teve.

     

    8] Não tenha medo de mudar de idéia: se você deixou uma decisão de lado, e ela o incomoda, repense o que escolheu. Não lute contra aquilo que lhe dá prazer.

     

    9] Saiba descansar: um dia por semana sem pensar no trabalho, termina permitindo que o subconsciente o ajude, e muitos (mas não todos) problemas se solucionam sem ajuda da razão.

     

    10] Deixe que as coisas mostrem o caminho mais alegre: se você está lutando demais por algo, e não tem resultados, seja mais flexível e se entregue aos caminhos que a vida mostra. Isso não significa renunciar a luta, ter preguiça, ou deixar as coisas nas mãos dos outros – significa entender que o trabalho com amor nos dá forças, jamais desespero.

     

    11] Leia os sinais: é uma linguagem individual, unida a intuição, que aparece nos momentos certos. Mesmo que os sinais indiquem uma direção oposta àquela que você planejou, siga-os. Às vezes você vai errar, mas é a única maneira de aprender esta nova linguagem.

     

    12] Finalmente, arrisque! Os homens que mudaram o mundo começaram seus caminhos através de um ato de fé. Acredite na força dos seus sonhos; Deus é justo, e não colocaria em seu coração um desejo impossível de ser realizado.

     

     

    Voltar a estudar foi uma busca pelas minhas bençãos!...Aqui, frente ao Instituto Tomie Otake, em São Paulo, com meus amiguinhos da escola!

     

    APRENDENDO A ENGOLIR SAPO!

    Tenho um post chamado SEU NOME NA BOCA DO SAPO! , que, curiosamente, todos os dias tem muita gente que entra aqui para vê-lo, nem eu mesma sei o motivo!

     

    Hoje, conversando com um amigo, estávamos falando, que, na vida, temos que "aprender a engolir sapos", que, na verdade, não tem nada a ver com o "Seu Nome na Boca do sapo"!

     

    Fiquei pensando, na riqueza de nossa lingua, onde duas terminologias, aparentemente iguais, com sentidos  tão diferentes!...Enquanto uma relaciona-se a uma pequena maldade "colocar seu nome na boca do sapo", a outra relaciona-se à capacidade de alguém de ouvir desaforos e ficar quieto - "engolir sapos".

     

    Fiquei pensando também, em quantos problemas, pode nos causar, o fato de não se saber engolir sapos!

     

    Esta pessoa com quem eu conversava, me dizia, que grande parte dos problemas que hoje o afligem, vem do fato dele não ter nunca engolido sapos, e ter tomado os pés pelas mãos, e dado as costas às boas oportunidades que já se lhe apresentaram!

     

    As pessoas reclamam da sorte, de Deus, das pessoas que viram as costas, mas nunca param para refletir, o quanto suas próprias atitudes perante a vida, os colocaram naquela situação...Ainda bem, que este meu amigo tem essa consciência, o que já é um grande avanço no sentido de reavaliar o comportamento e evitar próximos erros.

     

    Quanto a mim, bem, eu aos 55 anos confesso: Ainda não aprendi a engolir Sapos!...Se não aprendi até agora...quando será?!!!!!rsrsrsrsrsrsrs