Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

INTERCAMBIANDO

Blog para fazer amigos pelo mundo, falar do cotidiano, experiências , sentimentos e relacionamentos das pessoas comuns...

INTERCAMBIANDO

Blog para fazer amigos pelo mundo, falar do cotidiano, experiências , sentimentos e relacionamentos das pessoas comuns...

  • A FOTOGRAFIA E SEU ESVAZIAMENTO DE SENTIDO NA CONTEMPORANEIDADE

    Inspirados em Rosangela Renó, artista plástica e fotógrafa brasileira, propusemos em nosso Projeto "Humanos em Construção" aplicado na escola Anna Maria, Americana/SP,  uma exposição de fotografias impressas, algumas em branco e preto. Na abertura da exposição mencionamos a importância destes "novos velhos olhares" para o segmento impresso que está a desaparecer por completo, frente às novas demandas de nosso tempo.

    Reproduzo aqui as palavras de Rosangela Renó, encontradas no livro de arte de 8º ano - "Mosaico" para que faça sentido para mais pessoas e se pense, se reflita realmente sobre o sentido de fotografar, a forma de armazenar, a forma de compartilhar, e no final deixar algumas perguntas:

    Se suas fotos, que deveriam ocupar um lugar de destaque para você, em sua vida, não estão sendo armazenadas adequadamente e daqui a pouco serão descartadas, qual sentido terá para as outras pessoas?

    Só para ganhar Likes?

    Qal o sentido do "like", se daqui 5 minutos ninguém lembrará mais.

    Porque o "like" ficou tão importante para as pessoas?

    Será que não nos transformamos em uma sociedade de Narcisos que se afogará na própria imagem?

    Bem, mas esta também já é outra história. Vamos ao exclente texto de Rosangela Renó:

    "Atualmente percebo mudanças óbvias no comportamento do ser humano , que parece achar que é muito difícil se dedicar simplesmente a observar algo, sem um instrumento. Recentemente em uma festa, vi um grupo de quatro mulheres, que dançavam, cada uma com um smartphone. (...)

    Hoje, tiram-se fotografias a fim de não voltar atrás e olhar para elas, as pessoas nem sequer fazem mais álbuns,  elas armazenam as imagens apenas para perdê-las em mídias obsoletas. Nem sequer é necessário adotar critérios de armazenamento uma vez que a maior parte torna-se irrecuperável, devido à própria natureza do arquivo. 

    As perguntas tornam-se mais filosóficas, quanto mais rápido nós todos submergirmos em um mar de tecnologias, que se sobrepõem umas às outras, em uma espiral de imagens incompletas em circulação eterna. O tempo para desfrutar das coisas tornou-se muito reduzido, porque estamos todos com pressa. Há muito que fazer, para documentar, para se comunicar, para transmitir. Hoje, há uma febre documental muito evidente que parece colocar o foco no lugar errado: as experiências começam a ser documentadas não de modo que o sujeito envolvido nelas possa aprender, mas para que elas possam ser mostradas para o maior número de pessoas. O esvaziamento do significado da experiência vem com a ilusão de seu maior alcance."

     Rosangela Renó em entrevista à Luisa Duarte. PEDROSA, A.; DUARTE,L. ABC, Arte Brasileira Contemporânea. São Paulo: Cosac   Naif, 2013.

    DSC00486.jpg

    Nossa pequena exposição e proposta à reflexão no colégio Anna Maria

     

     

    BIBLIOGRAFIA

    Rosangela Renó em entrevista à Luisa Duarte. PEDROSA, A.; DUARTE, L.ABC, Arte Brasileira Contemporânea. São Paulo: Cosac Naif, 2013 apud em Projeto Mosaico: Arte: Ensino Fundamental/Beá Meira...[ et al.] - 1.ed. - São Paulo: Scipione, 2015.

     

     

     

    HUMANOS EM CONSTRUÇÃO - ARTE, VIDA E FELICIDADE

    BLOG 3.png

    Em 2012 começamos a escrever um projeto para nosso TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) da faculdade de artes, e em 2014 tivemos a oportunidade de aplicá-lo para públicos de diversas faixas etárias, graças ao apoio do Nids (Nucleo de Desenvolimento do Ser) que nos cedeu suas instalações.

    059.jpg

    DSC05520.jpg

    Na época o denominamos "Projeto Despertar", mas logo vimos que tinha uma série de ajustes a serem feitos, principalmente com relação ao dimensionamento do tempo em que iríamos aplicá-lo.

    Com o tempo no magistério fomos percebendo que deveríamos focar mais nos interesses dos participantes, nas suas demandas de vida, que propriamente na história da arte que era o foco inicial. Foi então que surgiu o "Humanos em Construção", que também se utiliza da história da arte, mas de forma que faça sentido com as expectativas dos participantes.

    Para isso nos utilizamos da escuta, como ponto de partida e direcionamento dos trabalhos.

    Claro que temos uma estrutura a ser seguida, mas que poderá ser alterada diante destas demandas.

    Como lema estruturante do projeto optmos pelo livro "Fluxo" de Mihail Csikszentmihalyi, que nos propõe formas de mudar nosso nível de consciência, para que tenhamos uma vida mais agradável e feliz. 

    Ficamos muito felizes com os resultados obtidos, e queremos agradecer o apoio de Viviane Stradiotto, Solange Dota e Emerson Atair Garbim, sem os quais não teríamos tido a oportunidade de aplicar o projeto.

    Na Escola Anna Maria, aqui em Americana, estamos no final da primeira fase, onde concluímos os estudos sobre o Modernismo Brasileiro, com lindos trabalhos em relevo feitos com filtros de café, lavados e reutilizados, para ampliar os conceitos de sustentabilidade. Por ser um papel de excelente qualidade nos permite o uso de colas, tintas e vernizes, com ótimos resultados.

    DSC00445.JPG

    DSC00419.png

    DSC00436.png

    DSC00434.JPG

    Esta fase foi tão positiva que, em apenas dois meses (o que dá um total de 8 encontros) conseguimos montar um grupo de dança haitiana, para homenagear nossa aluna Mitchina, que é do Haiti e quer ser dançarina. Alguns alunos da classe dela aderiram e ontem fizeram a apresentação.

    Dança Haitiana3.jpg

    Montamos, também, uma exposição de Arte Barroca e uma de fotografia.

    Estamos iniciando também na Escola Risoleta, onde estamos bastante empolgados com a receptividade dos alunos.

    DSC00482.jpg

    DSC00484.jpg

    DSC00485.jpg

    DSC00479.jpg

     

    Em Julho aplicamos na cidade de Santos, no Orquidário.